Consumo Consciente

Um mar de fraldas

Você já parou para pensar que do ponto de vista do planeta não existe jogar fora?

Pois bem, não existe mesmo…

É inegável a praticidade momentânea dos descartáveis, assim como é inquestionável a sua inutilidade após descarte.

Estima-se que uma criança nos seus dois primeiros anos de vida use mais de 5 mil fraldas descartáveis1, o equivalente a quase uma tonelada de lixo por ano2, um verdadeiro mar de fraldas. Estes números à primeira vista, podem parecer absurdos, mas repare, em uma casa com criança que usa fralda descartável, as fraldas correspondem mais de 50% do lixo doméstico produzido1,2.

Todos os produtos, descartáveis ou não, gastam recursos para sua produção, água, energia, ocorre a emissão de gases de efeito estufa e em algum momento viram lixo…

Mas se a fralda descartável e a fralda ecológica deixam sua pegada no mundo, qual devo utilizar?

Analisando de uma forma sistêmica a resposta é bem simples.

As fraldas descartáveis ​são mais nocivas não apenas porque criam enormes quantidades de lixo, mas analisando todo o ciclo de vida dos dois tipos de fraldas, no processo de produção, utilização e descarte; as fraldas descartáveis utilizam mais recursos.

Estudos apontam que ao utilizar fraldas ecológicas, economizaríamos 40% de água e utilizaríamos pelo menos 6 vezes menos energia elétrica 3,4.  Além disso, no processo de produção das fraldas descartáveis, ocorre a utilização e liberação de produtos químicos indesejáveis, tais como dioxinas e furanos que colocam a saúde de todos nós em risco5.

As fraldas descartáveis, são utilizadas por pouco tempo e persistem no nosso planeta por centenas de anos e em grande quantidades2.

E você sabe para onde vai tudo isso?

Na melhor das hipóteses, se ocorrer a correta destinação do resíduo, o que chamamos de “lixo” acabará indo para um aterro sanitário, onde ficará por centenas de anos, as fraldas descartáveis estão entre o grupo de resíduos que mais ocupam espaço nos aterros sanitários, o que na prática significa que precisaremos de mais espaço para dispor este lixo2.

Fraldas descartáveis são itens encontrados de forma recorrente nas limpezas de praia 6,7, estima-se que a mistura de plásticos utilizados na produção de uma fralda descartável possa durar até 450 anos no ambiente1.

Sim, estima-se, pois o primeiro plástico produzido, ainda não se degradou!

E aí, ainda está em dúvida?

E se eu te contar que ao optar pelo uso de fraldas ecológicas você diminuirá não apenas o impacto ambiental, mas também o impacto na sua conta bancária1. Estima-se que ao utilizar fraldas descartáveis você economizará 60% do valor que seria gasto ao comprar fraldas descartáveis 2.

Penso nisso, suas escolhas podem ser sempre mais sustentáveis!

Escrito por Dra. Camila Burigo Marin

Referências

  1. Chega de plástico: 101 maneiras de se livrar do plástico e salvar o planeta. 2019. Editora sextante.
  2. Jelena Meseldzija, Danijela Poznanovic & Richard Frank. Assessment of the differing environmental impacts between reusable and disposable diapers. Dufferin Research (November 2013). Environmental Impact Report.
  3. http://www.ocdiaperservice.com/Environment.html
  4. Lehrburger C., Mullen J., Jones C V., “Diapers: Environmental impacts and lifecycle analysis”, The National Association of Diaper Services, 1991.
  5. ASSUNCAO, João V de  and  PESQUERO, Célia R. Dioxinas e furanos: origens e riscos. Rev. Saúde Pública [online]. 1999, vol.33, n.5 [cited  2020-07-13], pp.523-530. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101999000500014&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1518-8787.  https://doi.org/10.1590/S0034-89101999000500014.
  6. Gerson Fernandino de Andrade Neto. ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DE LIXO DE PRAIA COM APLICAÇÃO DO CLEAN-COAST INDEX EM UMA PRAIA DO LITORAL CENTRO-SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL. 2010.
  7. Fernandes, R. S., Chemane, A. e C. M. M. Louro (2012) Programa de Limpeza Internacional das Zonas Costeiras 2011. Resíduos marinhos nas praias do sul de Moçambique: Praias de Miramar, Triunfo, Costa do Sol, Catembe, Ponta do Ouro e Inhassoro. 37 Pp Maputo, CTV.
COMPARTILHAR

conteúdo por

Post anterior
Julho sem Plástico
Próximo post
Macroplástico: a grande ameaça aos oceanos

Leia também

Menu