Consumo Consciente

Lixo: qual é o impacto ambiental das fraldas do bebê?

No Brasil, 250 fraldas descartáveis vão para aterros sanitários por segundo onde vão ficar por até 500 anos. Conheça o impacto das fraldas (e alternativas).

Não pode ler agora? Ouça clicando no player:

Basta ir em qualquer chá de bebê e ver a montanha de fraldas descartáveis que os pais ganham para se questionar: qual é o impacto ambiental de tanto lixo?

O Brasil vende 250 fraldas descartáveis por segundo e a maior parte disso vai direto para os aterros sanitários onde vão ficar por até 500 anos.

A verdade é que fraldas descartáveis são um grande vilão para a sustentabilidade ambiental, não só pelo lixo gerado, mas por todo impacto que tem na sua produção. Então organizamos esse post muito completo para você saber mais sobre o assunto e entender qual é o impacto ambiental das fraldas descartáveis (e comparar com a fralda ecológica!).

História das fraldas descartáveis no Brasil

Marion Donovan é a inventora da precursora da fralda descartável. Em 1946, cuidando de seu segundo filho, ela teve a ideia de usar uma cortina de banheiro costurada a uma fralda de pano, evitando que ela vazasse. Esse formato era mais prático que as calças plásticas que já existiam, além de causar menos assaduras.

A invenção de Marion ainda não era descartável e era bastante inacessível financeiramente. Aliás, ela até sugeriu uma versão de papel para algumas fabricantes, mas a ideia foi deixada de lado. Só nos anos 1960 quando a P&G lançou a Pampers que o modelo descartável se tornou popular no mundo.

Nos anos 1970, as fraldas descartáveis já representavam 0,3% de todo o lixo municipal dos EUA (hoje gira em torno de 2%). Foi na mesma década que elas chegaram no Brasil mesmo sendo muito caras para o bolso dos brasileiros. Até os anos 1990 ainda era comum encontrar famílias que usavam fraldas de pano com seus filhos.

Por que usar fraldas descartáveis?

De fato, décadas atrás, a ideia de usar uma fralda de pano não era muito entusiasmante. O produto era ruim. Elas não tinham tecnologia e precisavam de calças plásticas para não vazar, o que dava muitas assaduras. Lavar era um transtorno, afinal poucas pessoas tinham acesso a máquinas de lavar. Além disso, com a entrada da mulher no mercado de trabalho, qualquer oportunidade que surgisse para riscar uma tarefa da lista já saturada de afazeres femininos era um luxo.

Mas se era uma questão de praticidade, não faltavam alternativas.

É curioso pensar que ainda nos anos 1960, quando a fralda descartável começou a se popularizar, muitas famílias ainda preferiam um popular “serviço de entregas de fraldas”. Empresas buscavam as fraldas de pano, lavavam e entregavam com um custo cerca de 10 vezes menor que o das fraldas descartáveis. A indústria de descartáveis teve que investir pesado em produção de massa (ou seja, mais lixo) e muito, mas muito marketing para reduzir o preço e convencer o público a adotar esse novo hábito descartável.

Hoje, as fraldas de pano deram lugar às fraldas ecológicas que são muito mais práticas para lavar e cuidar. Mas vamos falar disso mais para frente.

Quanto lixo um bebê gera usando fraldas?

Hoje, o Brasil é o terceiro maior consumidor de fraldas descartáveis do mundo, de acordo com a Abihpec. Só em 2014, foram 7,9 bilhões de fraldas descartáveis vendidas no país. Isso significa mais de 15 mil fraldas POR MINUTO! São quase 305 mil toneladas de lixo produzidas em um ano. E esses números seguem uma tendência de crescimento.

Uma fralda descartável tradicional é composta por um interior absorvente que normalmente é feito de fibras de celulose (papel) e um polímero absorvente (plástico). Também é adicionado poliacrilato de sódio, um sal que ajuda a absorver mais líquidos. A camada interna é feita com um tecido à base de papel que permite que os líquidos escorram até o interior absorvente. Camadas plásticas externas adicionais e elásticos ajudam a segurar a fralda e impedir vazamentos. Por fim, adesivos plásticos são usados para deixar todas essas camadas juntas. Resumindo: plástico, papel e químicos.

Todos esses materiais são leves e pouco volumosos em aterros sanitários. O papel é facilmente decomposto, mas o plástico é o grande vilão aqui. Uma fralda levaria 500 anos para se decompor completamente por causa dele. Ou seja, no ano de 2500 ainda estarão na Terra as primeiras fraldas descartáveis inventadas.

Um estudo da Agência Ambiental do Reino Unido definiu que o um bebê usa, em média, 4,16 fraldas descartáveis por dia. São quase 3.800 fraldas até 2 anos e meio de idade – apesar de que em muitas situações esse número pode chegar perto dos 6 mil! Eles estimam que na vida do bebê, 874 kg de dejetos sejam produzidos com as fraldas, incluindo cocô, xixi, plástico, papel e outros. Esse lixo todo é descartado (veja mais a seguir para entender o que acontece com isso tudo).

Esse mesmo estudo analisou o impacto de dióxido de carbono envolvido na produção, comercialização e descarte dessas fraldas. Foi constatado que um bebê usando fraldas descartáveis por 2 anos e meio produz cerca de 550 kg de CO². O relatório enfatiza que a fabricação das fraldas representa a maior parte desse número.

O que acontece com a fralda descartável?

As fraldas descartáveis podem ter 4 destinos:

Aterros Sanitários

Um aterro sanitário é um grande terreno onde o lixo é depositado. Esses resíduos ficam se decompondo ao longo de anos ou décadas. Vale notar que um aterro precisa ser bem estruturado para evitar contaminação do ambiente e é possível até extrair recursos como o biogás que pode ser usado na geração de energia elétrica.

Uma fralda descartada em um aterro vai liberar biogás por 100 anos e chorume por 20 mil anos! O chorume é o resíduo da decomposição orgânica e pode ter um grande impacto ambiental se não for tratado da melhor forma possível.

Hoje, estima-se que 2% do lixo de um aterro seja composto apenas de fraldas descartáveis e esse é o destino final de quase todas as fraldas descartáveis no Brasil.

Incineração

É possível incinerar as fraldas descartáveis, mas isso não deve ser feito em ambientes não controlados (nada de colocar fogo no quintal!). Usinas de energia termoelétrica podem usar lixo como as fraldas para gerar energia, mas é uma energia poluente.

Compostagem

Quem pratica a compostagem tira proveito de bactérias e outros organismos para decompor algum dejeto. Com essa técnica, restos de comida, papéis e outros tipos de lixo se transformam em matéria orgânica útil e que tem bem menos impacto ambiental se for descartado. Mas é importante observar que as fraldas descartáveis são feitas também de plástico, então para uma boa compostagem é necessário uma estrutura que separe materiais não compostáveis. Infelizmente, não dá para fazer em casa e são pouquíssimos municípios brasileiros que têm estrutura para fazer.

Reciclagem

Tecnicamente falando, é possível sim separar alguns materiais da fralda descartável para reaproveitar. Mas ainda é uma técnica inviável em larga escala. É difícil separar só as fraldas do resto do lixo doméstico; a esterilização também tem um impacto ambiental por liberar toxinas e por fim, a reciclagem produz materiais por um preço pouco competitivo comparado a outros meios de produção.

Alternativas

Existem fraldas descartáveis que são biodegradáveis. Muita gente opta por esse modelo sem entender direito como ele funciona, mas na prática, essa fralda usa materiais que são mais fáceis de decompor por microorganismos. Ao invés do plástico derivado de petróleo, elas podem ter plásticos orgânicos, além de contar com menos corantes e outros químicos.

Sem dúvidas, é uma boa alternativa às fraldas descartáveis tradicionais, mas ainda há poucos fabricantes no Brasil, o que a transforma em uma opção cara para o dia-a-dia.

Além disso, se elas forem descartadas em aterros sanitários comuns, o fato de ser biodegradável vai fazer pouca diferença. A biodegradabilidade depende de microorganismos presentes na compostagem, por exemplo, e a gente sabe que esse não é o destino da maior parte do nosso lixo. O problema do volume do lixo não é resolvido.

A Fralda Ecológica

Se engana você, se está pensando naquelas tradicionais fraldas de pano que sua avó usava. Hoje já existem opções no mercado muito mais tecnológicas, que não precisam de calças plásticas e que têm muita capacidade de absorção.

As fraldas ecológicas modernas usam um interior de tecido natural com um impermeável laminado aplicado diretamente no tecido. Do lado de fora, o poliéster permite estampas diferentes e estilosas. A grande vantagem de verdade é que são reutilizáveis, um enxoval completo de fraldas ecológicas que tenha os devidos cuidados vai todo tempo que o bebê precisa de fralda. E não só do seu filho!

// SAIBA TUDO SOBRE AS FRALDAS ECOLÓGICAS DA NÓS E O DAVI

Na prática, as fraldas ecológicas também são mais econômicas que as descartáveis. Clique aqui e veja esse outro post para entender a conta.

Muita gente pergunta: mas se contar as lavagens, a fralda ecológica não tem um impacto maior?

No quesito “consumo de água”, é justo dizer que a lavagem consome bem mais água do que só “jogar a fralda fora”. Mas não podemos ignorar algumas coisas.

Uma fralda descartável consome na sua produção cerca de 2,3 vezes mais água que uma fralda de pano. Considerando que uma fralda ecológica substitui cerca de 225 fraldas descartáveis, estamos falando de 517 vezes mais água sendo utilizada só na fabricação.

Além disso, água é um recurso renovável. Depois do uso, ela volta para seu ciclo – diferentemente das árvores que foram cortadas e vão levar anos para crescer novamente. Fazendo a lavagem do jeito certo, não há desperdício e o impacto geral do uso da água acaba sendo compensado.

O estudo da Agência Ambiental do Reino Unido demonstrou que, se for lavada corretamente (sem usar água quente, nem secadora) e se uma mesma fralda ecológica servir a diferentes crianças, a fralda ecológica produz apenas dois terços de CO² que a descartável. Isso incluindo todo o gasto com a fabricação, comercialização, lavagens e descarte!

A lavagem também é muito mais simples do que era há algumas décadas. A fralda vai facilmente para a máquina de lavar, o que gera praticidade no dia-a-dia. Temos um post explicando como lavar, clique aqui para ver.

Concluindo

Da mesma forma que soa um pouco absurdo trocar nossa roupa do dia-a-dia por trajes descartáveis, também deveríamos nos consternar com a ideia de usar fraldas descartáveis. A quantidade de lixo gerada é absurda e hoje já temos comodidades que nos permitem repensar alguns hábitos, como a incrível tecnologia das máquinas de lavar ou os tecidos modernos das fraldas ecológicas.

Só para resumir, algumas vantagens da fralda ecológica em comparação com a fralda descartável:

  • Produz menos CO²
  • Consome menos matéria-prima (que pode ter outros usos melhores)
  • Usa menos plástico, que é difícil de decompor
  • Ocupa menos espaços em aterros sanitários
  • É mais econômica

Todo o lixo gerado por fraldas descartáveis poderia sim ter um manejo mais sustentável, mas pouco adianta ficar esperando que isso aconteça magicamente. Você pode adotar hábitos mais amigáveis com o meio ambiente agora mesmo. Comece a mudança dentro de casa!

Vamos espalhar essa ideia por aí?

Post originalmente publicado em 8 de novembro de 2016 e atualizado pela última vez em 31 de janeiro de 2020

COMPARTILHAR

conteúdo por

Post anterior
Minhas fraldas ecológicas chegaram. E agora?
Próximo post
Rotina escolar: como lidar com Fraldas Ecológicas na escola e na creche

Leia também

Menu