Maternar e Paternar

Dicas para incentivar seu bebê a compartilhar

Neste post compartilhamos algumas dicas para incentivar seu bebê a compartilhar e como lidar com esse processo da melhor forma. Confira aqui!

Aprender a compartilhar com tranquilidade pode ser um processo longo. Por isso separamos algumas dicas de como transformar momentos mais tensos em oportunidades ricas para ajudar a criança a aprender habilidades sociais.

Imagine a cena: uma criança de 3 anos e uma de 2 anos estão sobre uma pilha de brinquedos. A criança mais nova pega dois dos brinquedos.

Em vez de pegar algum dos brinquedos restantes, a criança mais velha quer os brinquedos que a criança mais nova está segurando. O bebê de 2 anos puxa de volta – machucando a outra criança – e as duas começam a chorar.

Uma cena bem comum de acontecer com quem têm mais de um filho ou recebe os amiguinhos, não é? Mas afinal de contas, por que isso acontece?

Por que aprender a compartilhar é tão difícil?

Por um lado, as crianças desta idade não desenvolveram a capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa ainda. Isso não significa que seu filho é uma pessoa ruim ou que você falhou como mãe/pai. As crianças desta idade estão concentradas em seus próprios sentimentos e pensamentos, e eles estão apenas pensando “eu quero esse brinquedo, e eu quero ele agora!”. Esse comportamento pode envergonhar e frustrar os pais, mas a falta de vontade de compartilhar é perfeitamente normal nessa idade. É importante que você tenha paciência e não obrigue a criança a nada: ela está no seu tempo e se afirmando enquanto indivíduo.

Em “Tuning In”, uma pesquisa nacional de pais de do site ZERO TO THREE, 43% dos pais entrevistados responderam que as crianças deveriam ser capazes de dominar a partilha até a idade 2. De fato, essas habilidades se desenvolvem entre 3,5 e 4 anos de idade. Saber o que esperar pode ajudar os pais a gerenciar suas expectativas e sua frustração quando vêem crianças com dificuldade em revezar os brinquedos.

incentivar seu bebê a compartilhar

O que você pode fazer para incentivar seu bebê a compartilhar

Há muitas maneiras de ajudar as crianças pequenas a aprenderem a compartilhar sem frustrações ou com a sensação de ser algo ruim. Algumas abordagens podem funcionar melhor do que outras, dependendo da situação e do seu filho. Dessa forma você pode tentar:

  • Garantir segurança

Quando as crianças pequenas se sentem ameaçadas (como quando um amigo tenta pegar seu brinquedo), elas geralmente respondem de forma agressiva. Isso significa agarrando, batendo e jogando coisas. Assim que esse comportamento ocorrer, aproxime-se e pare a agressão de maneira tranquila. Uma declaração simples em voz baixa, como “eu não posso deixar você bater nele” mostra sua autoridade e calma.

  • Explicar a situação

Às vezes, desacelerar as coisas e criar um espaço para resolução calma dos problemas é um excelente começo. Relate para a criança o que aconteceu, por exemplo: “Pedro, você pegou o brinquedo e agora a Joana está com ele, você tentou pegar de volta e ela chorou”.

  • Ofereça um “turno longo” com o brinquedo

Em alguns casos, uma criança pode ter um turno longo com um brinquedo, ficar mais tempo com ele.

Exemplo: “Leve o tempo que quiser com o brinquedo, Pedro. A Joana vai esperar que você termine. Joana, você gostaria de brincar com esses brinquedos aqui até que o Pedro tenha terminado?

É bom deixar as crianças terem um tempo maior – uma chance de brincar com o brinquedo – antes de compartilharem. Ajude o outro filho/amigo a esperar oferecendo uma atividade diferente.

  • Use um temporizador ou relógio

Em alguns casos, contudo, deixar uma criança decidir quando a sua vez acabou não é prático. Um temporizador ou relógio pode ser um marcador de regras útil e de ajuda visual para as crianças, assim não é adulto que vai dizer quando é a hora de entregar o brinquedo, mas sim o alarme do relógio, por exemplo.

  • Respeite os sentimentos delas

Quando as brigas acontecem, é importante reconhecer como ambas as crianças se sentem. “Você pegou esse brinquedo porque parecia mais divertido.” Então ajude a outra criança com seus sentimentos mostrando empatia: “ele escolheu esse brinquedo primeiro, então ele pode brincar com ele por enquanto. Você pode ter sua vez de brincar mais tarde. Está tudo bem ficar chateado quando tiver que esperar. “

  • Forneça gerenciamento de emoções

Geralmente é a criança que está esperando sua vez que está tendo grandes sentimentos. Às vezes isso significa ouvir o colapso emocional temporário de uma criança. Sua decepção, embora desproporcional aos olhos de um adulto, é muito real. Quando as emoções de uma criança são compreendidas e validadas, isso ajuda que ela aprenda a colocar-se no lugar dos outros e assim ela passa a buscar soluções nas próximas vezes.

  • Oriente as crianças para encontrarem soluções

Ajude-os a fazer uma análise da situação e encontrar maneiras de resolver o problema, perguntar suas opiniões. Não subestime a capacidade das crianças de apresentar excelentes ideias e estratégias. Por exemplo, você pode perguntar: “precisamos mexer a massa do bolo, mas eu só tenho uma colher. O que devemos fazer?” Quanto mais capacitarmos as crianças, é provável que elas se tornem mais gentis, compassivos e saibam solucionar seus problemas de forma educada e consciente. Em suma, oferecer informações sociais é um voto de confiança.

Certamente crianças com menos de 3 anos não conseguirão ouvir  comentários corretivos sobre seu comportamento no calor do momento. Portanto, quando todos estiverem calmos, você pode abordar a criança sobre o ocorrido. Você pode dizer: “na próxima vez que você quiser algo, você pode perguntarposso ter uma vez? Agarrar e empurrar não são seguros. Da próxima vez, peça primeiro. Continue praticando“. Dessa forma você ajudará a criança a aprender novos comportamentos e a lidar melhor com seus sentimentos e expectativas.

Fonte: www.zerotothree.org

E aí, gostou do post? Você encontra mais publicações sobre maternar e paternar aqui no blog e lá em nosso Instagram!

COMPARTILHAR

conteúdo por

Post anterior
BLW: introdução de sólidos na alimentação do bebê
Próximo post
Produtos nacionais sustentáveis e consumo consciente: uma rede de benefícios

Leia também

Nenhum resultado encontrado.

Menu